VITOR CESAR
Fortaleza, 1978. Vive em São Paulo


FORMAÇÃO

Mestrado em Poéticas Visuais. ECA/USP.
Graduação Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal do Ceará.


RESIDÊNCIAS

2015 A—I—R Laboratory. Programa Videobrasil em Contexto.
Ujazdowski Centre for Contemporary Art. Varsóvia, Polônia.

2009 Capacete. Programa de residências
da 29º Bienal de São Paulo. Rio de Janeiro.

2008 Taller de Proyectos com Antoni Muntadas.
Fundación Marcelino Botín. Santander, Espanha.

2006 Artists in residence program MuseumsQuartier. Viena, Áustria.


EXPOSIÇÕES E PROJETOS INDIVIDUAIS

2015 Descrito como real.
Artista convidado Programa de exposições Centro cultural São Paulo

2015Caminhar pela cidade em um estado caótico.
Ujazdowski Centre for Contemporary Art. Varsóvia, Polônia.

2013 Anfibologia, reciprocidad.
Museu experimental El Eco
. Cidade do México.

2009 Sobrepostas, permeáveis e intercambiáveis..
Centro Cultural Banco do Nordeste. Fortaleza

2004 Vocabulário para repensar a cidade.
Programa de exposições Centro Cultural São Paulo.


EXPOSIÇÕES E PROJETOS COLETIVOS

2017
11 Bienal de Arquitetura. Casa do povo. São Paulo
Como se pronuncia design em português: Brasil Hoje. Mude. Lisboa
A quebra do sistema. Al janniah. São Paulo
Osso. Instituto Tomie Ohtake. São Paulo
I’ll be your mirror. Breu. São Paulo
Contracondutas. Escola da Cidade – Unifesp. Guarulhos.

2016
Distantes mundos/Próximos Lugares. MAC. Fortaleza
Cartas ao prefeito. Storefront art and architecture. Pivô. São Paulo
Campos de preposições. O grupo inteiro. Sesc Ipiranga. São Paulo
Sempre algo entre nós./Estou cá. Sesc Belenzinho. São Paulo
Playgrounds. O grupo inteiro. MASP. São Paulo.
Metacozinha. Casa do Povo. São Paulo

2015
Prêmio CNI SESI SENAI Marcantônio Vilaça. Mac USP. São Paulo.
Isto não é um Museu. Artefatos móveis. Centro Cultural São Paulo.
Poipoidrome. Frestas Trienal de Artes. Sesc Sorocaba

2014
Mano Fato Mano. Centro Cultural São Paulo. São Paulo.
Cidade gráfica. Instituto Itaucultural. São Paulo.
A parte que não te pertence. Kunsthaus, Wiesbaden, Alemanha.
Há escolas que são gaiolas e escolas que são asas.
MAR. Rio de Janeiro.
Anotações Singularidades. Itau Cultural. São Paulo.
Em direto. Sesc Sorocaba. São Paulo.
Boletim. Sesc São Carlos. São Paulo.

2013
Escavar o futuro. Palácio das Artes. Belo Horizonte
P33 Formas Únicas da continuidade no espaço.
Panorama da arte brasileira. Mam, São Paulo
Natural—Natural: Paisagem e artifício. MAC. Fortaleza.
Sala de leitura. Oficina Cultural Osvald de Andrade, São Paulo.
Tropicália Negra. Museu experimental el Eco. Cidade do México.
Campo Neutral. Museu da Gravura. Curitiba.
Metrô de Superfície II. Centro Cultural São Paulo. São Paulo.
Ambiguações. Centro Cultural Banco do Brasil. Rio de Janeiro.
Boletim.Galeria Millan. São Paulo.

2012
Da próxima vez eu fazia tudo diferente. Pivô. São Paulo.
Anfibologia. Mostra de design. Belo Horizonte MG
Outras coisas visíveis sobre papel. Galeria Leme São Paulo.
Desobjetos: a memória das coisas. Mostra Sesc de artes. São Paulo.
Superperformance. Ateliê 397. São Paulo
Fora a fora. Intermeios. São Paulo

2011
Os dez primeiros anos. Instituto Tomie Othake. São Paulo
Basemóvel levo mesa b. Núcleo Experimental Educação MAM RJ
Em Direto. Oficina Cultural Oswald de Andrade. São Paulo
8º Bienal do Mercosul. Porto Alegre.
Caos e Efeito. Instituto ItauCultural. São Paulo
Esto no es un museo. Can Xalat. Barcelona.
A 4 graus do Equador. Ateliê 397. São Paulo
Conversas. Museu da Gravura. Solar do Barão. Curitiba

2010
É crédito ou débito? Mostra SESC de Artes. São Paulo
À sombra do Futuro. Instituto Cervantes. São Paulo
Dois Pontos. Museu Murillo La Greca. Recife
Residência projeto Tatuí. Conexão Artes Visuais. Olinda PE

2009
Trilhas do Desejo [Rumos Itaucultural] Paço Imperial. Rio de Janeiro
Um lugar a partir daqui [Rumos Itaucultural]. Ecco. Brasília
Mirantes [Rumos Itaucultural] Galeria Juvenal Antunes. Rio Branco
Trilhas do Desejo [Rumos Itaucultural] Itaucultural. São Paulo
Da rua: que pintura é essa? Funarte. São Paulo
Salon Light Galeria Vermelho. São Paulo
Condomínio BO. Branco do Olho. Recife
Cartas/Trajetos. Usina Cultural Energiza. João Pessoa
Per For +. Espaço de Performance Contemporão. Florianópolis

2008
Arte e Esfera Pública. Centro Cultural São Paulo. São Paulo
Coleção. Florianópolis, Curitiba, Belém, São Paulo
Campo Coletivo. Centro Universitário Maria Antonia. São Paulo

2007
Sidewalk Cinema. Viena, Áustria

2006
Vizinhos – Networked Art in Brazil. MuseumsQuartier. Viena Áustria
Artistas e suas formas de organização. Sesc Crato e Juazeiro do Norte
Designum Desdobramentos. MAC, Fortaleza
Verbo. Galeria Vermelho. São Paulo
Urban Processes. Cuisine Digitale, MuseumsQuartier. Viena Áustria
Centrocidades. Centro Cultural Banco do Nordeste. Fortaleza
Not Sheep: New urban enclosures and commons. Artspeak. Vancouver Canadá

2005
Algumas observações sobre a cidade. Centro Cultural BNB. Fortaleza
BASE móvel. Programa BNB de Cultura. Fortaleza
(NE) Fronteiras, fluxos e personas. Centro Cultural Banco do Nordeste. Fortaleza

2004
III mostra do programa de exposições. Centro Cultural São Paulo. São Paulo
Modos de Fazer. Prêmio incentivo as artes SECULT CE . Fortaleza
Reverberações. Fórum Mundial da Cultura. São Paulo
Vocabulário para repensar a cidade. Biblioteca Pública Menezes Pimentel. Fortaleza
Coletiva do programa de exposições. Centro Cultural São Paulo. São Paulo

2003
Super. Fundação Joaquim Nabuco. Galeria Baobá. Recife
Brazillian Screening. Next 5 minutes. Amsterdam Holanda
Assentamento. SPA semana de artes visuais do Recife. Recife
Experimental. Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Fortaleza
Salão sobral de artes plásticas. Casa de Cultura de Sobral. Sobral
Manifestos. Mostra SESC de artes e latinidades. São Paulo
Zona Franca. Mostra SESC de artes e latinidades. São Paulo

2002
Bienal Ceará América — De ponta cabeça. Fortaleza
Ainda Gravura. Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Fortaleza
SPA — Semana de artes visuais do Recife. Recife
Projeto parede. Alpendre. Fortaleza

2003
3 Centro de artes visuais Raimundo Cela. Fortaleza